Zonas rurais mineiras cultivam cultura musical através de bandas


03/03/2016

Minas Gerais é grande no tamanho e também nas diversidades e nos talentos culturais, que, por muitas vezes, se encontram em pequenas comunidades, municípios e zonas rurais, sendo muito importante para os moradores da região. A Associação Musical do Arame (AMAR) foi uma das 85 contempladas no programa Bandas de Minas e irá receber instrumentos musicais de sopro, metal e percussão. A banda pertence a uma comunidade rural do município de Lagoa Dourada, localizada na região central de Minas Gerais, que tem como renda principal a agropecuária.


O grupo iniciou as suas atividades em 2000 quando alguns moradores sentiram a necessidade de conseguir uma banda para tocar na Semana Santa do povoado. Logo, um maestro da cidade foi à comunidade e iniciou a formação dos músicos. Atualmente, o grupo, que carrega o nome do povoado, Arame, conta com 18 músicos com idades variadas, desde 11 anos o mais novo e 78 o mais velho. Para o maestro, Ricardo José Pinto, que trabalha na AMAR desde 2005, a banda é de extrema relevância na religiosidade da comunidade. “A banda é de fundamental importância para região e moradores, pois existe uma tradição muito forte nas festas religiosas, principalmente na Semana Santa”.


Além de tocar em festivais de bandas de cidades vizinhas, grande parte dos compromissos da Associação são relacionados a eventos religiosos como procissões, Semana Santa e outros. O estilo do repertório é variado e vai de marchas fúnebres e dobrados a peças mais atuais e modernas.


A banda já foi contemplado no edital da SEC em 2004, 2011 e 2014 e, segundo o maestro, os instrumentos adquiridos através do programa neste ano poderão ajudar a AMAR a aumentar o número de músicos. “A nossa banda não é uma muito grande pois não temos muitos instrumentos para amplia-la. Estes materiais recebidos são a única forma que temos para integrar novos membros à Associação, uma vez que não conseguimos outros tipos de recursos”. 


Em Santa Cruz do Escalvado, na Zona da Mata, a Associação Música e Arte (AMA), que surgiu em 2012, também foi uma das contempladas do programa. A associação tem o objetivo de desenvolver e ampliar horizontes da cultura musical da zona rural da região. Nessa área da cidade, cerca de duzentos ruralistas, entre crianças, jovens e adultos, estão sendo alfabetizados musicalmente. Atualmente, os trabalhos acontecem também em Porto Plácido, Boa Vista, Nova Soberbo, Gongo e Chacrinha.


“O nosso próximo projeto é construir uma sede própria. Queremos conseguir um terreno para poder ampliar as opções de cursos, como aula de violão e bordado. Esses tipos de projetos ocupam as crianças e adolescentes e os afastam das más influências”. Carlos Roberto, presidente dab há 3 anos.